Histórico


    Categorias
    Todas as mensagens
     Evento
     Citação


    Votação
     Dê uma nota para meu blog


    Outros sites
     RECANTO ANDRADE JORGE
     MINHA PROSA POÉTICA - LUA ANDRADE


     
    ANDRADE JORGE POESIAS


    Solto no tempo

    SOLTO NO TEMPO

     

    Solto no tempo

     da vida
    retirante, caminhante,
    sem tempo pra cuidar
    da própria ferida.

    Os dias são eternos
    nessa trilha infinita,
    as cruzes cruzam as encruzilhadas,
    onde a consciência grita:
    “Meu Deus! o que fui?
    O que fiz?
    O que serei?”

    Solto no tempo da vida,
    solto no tempo
    solto no relento,
    procuro esse alento.

    Passa por mim uma rajada
    quente ou fria,
    é o tempo cobrando meu tempo,
    é a espada cruzando meu espaço,
    é o amanhã que já se fez dia,
    é o alento no vento da vida;

    Solto no tempo
    procuro esse alento.

    ANDRADE JORGE
    19/09/05


    Escrito por ANDRADE JORGE às 07h59 PM
    [] [envie esta mensagem] []



    iNTIMIDADE

    INTIMIDADE

    A VIDA DEITOU SEU OLHAR
    OLHOU DE SOSLÁIO,
    E SEM NADA FALAR
    ABRIU O BALAIO
    DOS DESENCONTROS;
    SEGUIU ADIANTE,
    O SOL QUEIMAVA RADIANTE,
    E NUMA IMPENSÁVEL CENA
    O VENTO COCHICHOU
    A BOCA PEQUENA:
    ___ AH! QUE PENA... QUE PENA!
    MAS A EXISTÊNCIA É MESMO UM SHOW,
    OS ATORES SE ENROLAM NOS TEXTOS,
    ENTRE UMA LÁGRIMA E OUTRA PERDIDA,
    OS PROPÓSITOS PERDEM CONTEXTO,
    PERDEMOS A NOÇÃO DECANTADA
    PERDEMOS O TEMPO ESPERADO,
    PERDEMOS A VIDA,
    E FICAMOS ÍNTIMOS DO NADA.

     
    ANDRADE JORGE
    14/01/2008


    Escrito por ANDRADE JORGE às 01h56 AM
    [] [envie esta mensagem] []



    brinquedo de cristal

    BRINQUEDO DE CRISTAL

    Andrade Jorge


    Você me endoidece,

    supera a razão

    fez de mim um brinquedo qualquer,

    se engrandece, envaidece,

    ao saber dona da situação

    Que vã emoção!

    Hoje a brincadeira acabou,

    chega do jogo do faz de conta,

    insensatez que fere e afronta

    o orgulho que esteve deitado nas sombras,

    porém renovado, cresce, desponta

    ressurge a consciência, meu eu,

    e se não sentes o que sinto,

    não há outro jeito, isento não minto,

    a verdade palpita no peito,

    se o brinquedo quebrou,

    outra mão já o restaurou.




    Escrito por ANDRADE JORGE às 01h48 AM
    [] [envie esta mensagem] []




    [ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]